TÓQUIO  - A economia do Japão entrou em recessão ao encolher 1,6% no terceiro trimestre deste ano, em dados anualizados, frustrando as previsões de recuperação modesta depois da severa contração no trimestre anterior e consolidando a visão de que o premiê Shinzo Abe vai adiar o segundo aumento de impostos no próximo ano.

Abe disse que os dados do PIB (Produto Interno Bruto) divulgados nesta segunda-feira (17) seriam a chave para sua decisão de prosseguir com o aumento para 10% em outubro do próximo ano. Essa decisão vinha sendo esperada para até o final do ano.

O segundo trimestre consecutivo de contração, diante da previsão de crescimento de 2,1% em pesquisa da Reuters, reforça os sinais de que a terceira maior economia do mundo tem mostrando recuperação lenta do consumo depois do primeiro aumento de impostos em abril.

O aumento de impostos de abril a 8%, ante 5%, levou a uma contração econômica de 7,3% no segundo trimestre, em dados revisados, a maior queda desde a crise financeira global.

Uma autoridade próxima ao premiê disse à Reuters que Abe adiaria o segundo aumento e convocaria eleição geral, num esforço para seguir no poder.

Em comparação com o segundo trimestre, a economia japonesa teve contração de 0,4% ente julho e setembro, após uma queda revisada de 1,9% entre abril e junho. Economistas esperavam crescimento de 0,5%.

 

Fonte:
Reuters
 Leila Kihara e Tetsushi Kajimoto