O leite é oficialmente o novo vilão da inflação, depois que o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou nesta sexta-feira (6) que o produto, em média, teve alta de 31,88% no país nos últimos 12 meses. Enquanto isso, no campo, os produtores comemoram o melhor preço do leite em seis anos.

Em 2013, o leite ficou 24,94% mais caro para os consumidores. Em São e no Rio de Janeiro, a caixinha do longa vida já ultrapassa R$ 4 nos supermercados.

Já para o produtor, o preço bruto pago (que inclui frete e impostos) atingiu em agosto R$ 1,0861 por litro, na média ponderada dos principais Estados produtores – Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Bahia.

Melhor preço ao produtor tem origem no consumo alto e na entressafra

Em relação a julho, a média teve alta de 3% (ou de 3,2 centavos por litro) e, comparada a agosto do ano passado, o aumento real é de 20%.

Os preços ao produtor refletem a demanda aquecida, a entressafra no campo (queda na produção, normal nesta época do ano) e a diminuição da produção no Sul do país, por conta das baixas temperaturas.

Os cálculos são do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, que aponta que esse é o sétimo mês consecutivo em que há elevação do preço ao produtor. Isso fez o leite alcançar o maior patamar dos últimos seis anos em termos reais (descontando a inflação do período).

Preços tendem a se estabilizar em setembro, podendo cair em outubro

Os maiores preços do leite ao produtor, segundo o Cepea, têm sido sustentados pelo consumo aquecido. Mas a pesquisa do órgão indica que os valores tendem a se estabilizar.

Na avaliação dos representantes da indústria de laticínios ouvidos pelos pesquisadores do Cepea, a população não deve absorver novos aumentos em produtos lácteos, como o leite de caixinha e o queijo muçarela.

Além disso, em outubro começa a entrar no mercado a safra de leite de Estados do Sudeste e do Centro-Oeste, o que deve fazer o preço baixar.

 

Fonte:
Uol