Bolsa de São Paulo tem maior alta em cinco meses

 
 Investidores foram às compras nesta quinta-feira (8), levando o principal índice da Bolsa de São Paulo a subir mais de 3%, com volume financeiro acima da média, em meio a dados favoráveis do comércio exterior da China e balanços corporativos locais.

O Ibovespa encerrou o pregão em alta de 3,12%, a 48.928 pontos, maior avanço desde 6 de março de 2013. O giro financeiro foi de R$ 7,6 bilhões. O diretor técnico da Apogeo Investimentos, Paulo Bittencourt, afirmou que a bolsa está se recuperando.

 — A bolsa está se recompondo depois das quedas recentes e do tombo de 2,09% na terça-feira.

Das 71 ações que compõem o índice, apenas cinco recuaram.

Mesmo com a alta, o Ibovespa voltou apenas a um patamar próximo em que estava no fim de julho. Desde então, o índice recuou em seis das últimas oito sessões em meio ao pessimismo com a economia doméstica.

Pela manhã, dados mostraram que as exportações da China cresceram 5,1% em julho na comparação anual, enquanto as importações aumentaram 10,9%.

Analistas esperavam alta de 3% nos embarques e de 2,1% nas importações. Os dados da China beneficiaram as ações de mineradoras globais, inclusive as da Vale, principal fator de alta no índice.

Na véspera, a mineradora divulgou que seu lucro líquido despencou no segundo trimestre, refletindo perdas contábeis bilionárias por conta do efeito da valorização do dólar na sua dívida.

Em relatório, analistas do Morgan Stanley afirmaram ver uma oportunidade de compra no curto prazo para os papéis.

— A ação está sendo negociada(...) cerca de 20% abaixo de sua média histórica e já leva em conta a combinação negativa dos royalties da mineração, litígios ligados a tributos e preços baixos do minério de ferro.

Outro balanço que animou o mercado foi o da Eletropaulo, depois que a companhia elétrica divulgou lucro de segundo trimestre mais que cinco vezes maior que o registrado um ano antes.

Petrobras também subiu, após a empresa ter anunciado na véspera uma descoberta no pré-sal da bacia de Santos.

Foram destaque de alta ainda os papéis de construtoras, lideradas por Brookfield.

Estrangeiros

Segundo analistas, as compras feitas por estrangeiros foi um fator determinante na alta da bolsa nesta quinta. As últimas sessões têm sido marcadas pela zeragem de posições vendidas em índice por parte desses investidores.

O operador de renda variável Dionatan Severo, da Quantitas Asset Management, afirmou que a tendência é a bolsa subir.

— Eles estão percebendo que estávamos no fundo do poço e não tem mais espaço para cair.

Segundo o operador, os contratos vendidos em índice de estrangeiros passaram de 90 mil em meados de julho para 40 mil no último dia útil do mês passado e para 6 mil na quarta-feira.

No mercado à vista, o saldo externo estava positivo em 99 milhões em agosto até o dia 6, segundo dados da bolsa paulista. O analista Fábio Gonçalves, da Banrisul Corretora, concluiu:

— O pessoal está trazendo recursos para investir com a oportunidade que temos: preços de bolsa próximos de 2008 e o câmbio alto.

 

 

fonte:

 R7