SÃO PAULO - Prometendo mais uma sessão de forte alta, o dólar comercial abriu os trabalhos desta quarta-feira (23) em leve alta de 0,29%, valendo R$ 2,086 na venda. Cabe lembrar que, na véspera, a moeda encerrou o dia com alta de 1,67%, cotado a R$ 2,080 na venda, renovando sua máxima desde 15 de maio de 2009, quanto atingiu R$ 2,109.

Para esta data os especialistas recomendam aos investidores que fiquem atentos à reunião de cúpula da União Europeia. “No câmbio global, a realização de uma reunião informal de cúpula da UE hoje deixa os investidores na expectativa, aguardando por sinalizações de políticas voltadas a estancar o crescente pessimismo que se estabeleceu na região. De todo modo, não devem surgir fórmulas capazes de alterar este sentimento no curto prazo”, destaca a diretora da AGK Corretora de Câmbio, Miriam Tavares.

Ainda lá fora, o Banco Mundial cortou sua previsão de crescimento econômico para China em 2012, de 8,4% para 8,2%, de acordo com documento publicado nesta quarta-feira. Seguindo no campo negativo, a balança comercial do Japão decepcionou ao mostrar um ritmo de crescimento menor que o esperado nas exportações de abril, levantando o risco de uma demanda externa mais fraca limitar o crescimento da terceira maior economia do globo.

Por sua vez, o ex-primeiro ministro da Grécia, Lucas Papademos, casou tensão ao afirmar na véspera que que os gregos não têm escolha, a não ser aceitar o doloroso programa de austeridade ditado por seus credores ou enfrentar uma saída da Zona do Euro, o que devastará a economia de Atenas, impulsionando a inflação e gerando novas tensões sociais.

Na agenda, atenção para o fluxo cambial
Segundo Miriam, na cena doméstica, o principal dado do dia será o fluxo cambial semanal, que indicará o tamanho das perdas do fluxo financeiro, no vermelho desde o ínicio de maio. “Neste contexto, o dólar segue pressionado, e as atenções continuam focadas nas possíveis intervenções do BC”, conclui a especialista.

Ainda na agenda desta quarta-feira, além do fluxo cambial, os investidores acompanham no front doméstico a Nota de Mercado Aberto de abril, um relatório sobre as operações financeiras realizadas no mercado aberto divulgado pelo BC. Mais cedo, a FGV (Fundação Getulio Vargas) revelou o IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor - Semanal) da terceira semana de maio, que marcou inflação de 0,50%.

Nos Estados Unidos, será reportado o New Home Sales, índice que mostra o número de casas novas vendidas no país. Também será revelado o relatório semanal de estoques de petróleo norte-americano.

 

Fonte:
Info Money