Depois de um ano marcado pela alta dos preços e uma forte desaceleração econômica, em um ambiente de crise externa, o presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, fez questão de dar um recado otimista para o próximo ano. "Quero passar duas mensagens: a inflação será menor do que a de 2011. E o crescimento econômico no Brasil em 2012 será maior", afirmou.

A avaliação mais favorável para a economia brasileira no próximo ano foi feita a senadores, durante audiência pública. O prognóstico otimista de Tombini é o de que o cenário de inflação em alta e atividade estagnada, registrado no terceiro trimestre deste ano, ficou para trás. Amanhã, o BC apresenta as expectativas oficiais no Relatório Trimestral de Inflação.

Tombini enfatizou que as medidas de incentivo ao crédito e redução de tributos, além da queda nos preços das commodities, já contribuem para melhorar esses indicadores. Lembrou ainda que algumas mudanças, como a redução dos juros, terão um efeito mais forte no próximo ano.

Para o BC, o nível de atividade chegou ao "piso" entre julho e setembro, recuperou-se neste último trimestre e vai registrar aceleração ao longo do próximo ano, com resultado mais forte no segundo semestre.

Tombini afirmou que não há falta de dólares no mercado brasileiro, apesar de muitas empresas terem aumentado o envio de recursos para as matrizes no exterior. Também descartou problemas no financiamento de empresas brasileiras.

Disse ainda que o governo tem instrumentos para que o mercado de câmbio funcione normalmente, em uma referência aos leilões de venda de dólares e contratos cambiais. Negou, no entanto, ter piso ou teto para o valor da moeda.

 

Fonte:
odiario.com