Brasília - As micro e pequenas empresas (MPE) brasileiras registraram em 2010 um aumento de 7,6% no valor das exportações em comparação a 2009. É o que mostra pesquisa realizada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex). Em todo o ano passado, foi exportado um total de US$ 2,03 bilhões. Em 2009, o volume de negócios alcançou US$ 1,88 bilhão. Apesar disso, a participação das MPE no valor exportado caiu de 1,2% para 1%.


A pesquisa aponta ainda uma pequena redução no número de empresas exportadoras - 11.858 em 2010 contra 12.184 em 2009 -, representando uma variação negativa de 2,7%. Cada MPE exportou, em média, US$ 171 mil em 2010, 10,6% a mais do que no ano anterior. Desde 2002, o valor médio exportado pelas MPE subiu 70,5%.

Apesar de o número de micro e pequenas empresas exportadoras ter apresentado uma pequena queda, elas ainda representam 61,6% dos estabelecimentos que mantém negócios com outros países – as microempresas são 27,7%, e as pequenas, 33,9%. A valorização do real, a alta do preço das commodities e o fortalecimento do mercado interno são alguns dos fatores que influenciaram na menor participação das MPE brasileiras no valor total exportado.

Com relação aos setores, as MPE exportadoras estão assim distribuídas: 58,7% na indústria, 34,9% no comércio, 4,7% na construção civil, 1,4% na agropecuária e 0,3% em serviços. Os principais produtos exportados pelas microempresas são calçados, vestuário, pedras preciosas ou semi, móveis e autopeças. Entre as pequenas, são móveis, madeira, mámore e granito, caçados e autopeças.

Os países da América Latina tiveram participação importante nas vendas, respondendo por cerca de 42% do valor total exportado pelas MPE, porém, nos últimos anos, se observa um leve crescimento das exportações para novos mercados, como Ásia e África.


São Paulo e Rio Grande do Sul seguem liderando o ranking do número de micro e pequenas empresas exportadoras, com 5.906 e 1.655, respectivamente. Paraná (1.082), Minas Gerais (1.055) e Santa Catarina (940) também são destaques.

A classificação em valores está na mesma ordem, com São Paulo registrando US$ 780 milhões em exportações, seguido do Rio Grande do Sul com U$ 281 milhões, Paraná com U$ 165 milhões, Santa Catarina com U$ 175 milhões e Minas Gerais com R$ 156 milhões.

A pesquisa mostra, de maneira geral, que a grande maioria das empresas exportadoras se recuperou da crise, mas as médias e grandes o fizeram com mais força, devido a fatores conjunturais – valorização do real, alta do preço das commodities, fortalecimento do mercado interno– e fatores internos às empresas – problemas de gestão, alto custo da mão de obra, etc.

Tais fatores foram responsáveis para que a participação das MPE no valor total exportado no país fosse reduzida.

 

Fonte:
exame