SÃO PAULO, A moagem de cana-de-açúcar do centro-sul do Brasil na temporada 2009/10 totalizou 16,4 milhões de t até 16 de abril, mais do que o dobro das 7 milhões de t no mesmo período do ano passado, informou na quarta-feira a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

As usinas começaram a moer mais cedo do que o normal nesta safra - que está apenas no seu início -, devido principalmente ao aperto do crédito resultante da crise financeira global, o que deixou os grupos sem nenhuma outra opção a não ser acelerar a produção e vender etanol no mercado à vista para cobrir os custos.

A produção de açúcar até 16 de abril atingiu 553.1 mil t, alta de 200% ante o ano anterior, com a produção de etanol totalizando 770 milhões de l, alta de 148%.

Apesar das dificuldades técnicas para produzir açúcar nesta fase inicial da temporada - a cana tende a ter um conteúdo maior de água e menos de sacarose -, as usinas que conseguem estão produzindo açúcar, já que o produto paga mais do que o etanol, disse o diretor técnico da Unica, Antonio de Pádua Rodrigues.

A cana que está sendo colhida e moída até agora é a que foi deixada no campo na temporada passada. Pela primeira vez na história, cerca de 15 usinas operaram sem parar no período de entressafra, sem realizar sua parada anual regular.

As usinas devem repassar uma quantidade maior de cana para a produção de açúcar neste ano, devido às perspectivas de aumento das exportações e dos preços.

A Unica estima que a produção de açúcar subirá cerca de 4,5 milhões de t, para 31,2 milhões de t, após um aumento de apenas 500 mil t nas duas últimas temporadas, informou a entidade em sua primeira estimativa para a safra 2009/10.

A Índia, que enfrenta uma grande queda na produção de açúcar após anos sendo um exportador, deverá ser o maior mercado do Brasil nesta temporada, comprando até 2 milhões de t.

Os indianos já compraram cerca de 600 mil t de açúcar branco e bruto do Brasil no primeiro trimestre, de acordo com Pádua.

O inverno deste ano deverá ser mais seco do que em 2008, o que pode favorecer a colheita, mas o período anual de chuvas deve chegar mais cedo do que nos últimos anos, no começo de setembro, impedindo que a temporada se estenda por muito tempo, disse Pádua.

Fonte:
Gazeta Mercantil
Agência JB Online