Na semana de decisão sobre a atualização da taxa básica de juros brasileira, a Selic, por parte do Comitê de Política Monetária (Copom), analistas do mercado financeiro apostam em um corte de um ponto porcentual. Segundo a pesquisa Focus, divulgada nesta segunda-feira (27) pelo Banco Central, o mercado prevê que o juro básico encerre abril em 10,25% ao ano, no mesmo nível apontado na pesquisa anterior. Essa previsão é repetida há seis semanas.

Atualmente, a Selic está em 11,25% ao ano. A próxima reunião do Copom tem início amanhã e a decisão será anunciada na noite de quarta-feira (dia 29).

Para o fim de 2009, também foi mantida a estimativa dos analistas de que o juro deve chegar a 9,25% anuais. Para 2010, analistas mantiveram pela segunda vez seguida a previsão de início de leve aperto monetário no ano que vem, com alta do juro de 0,25 ponto, o que levaria a taxa Selic para 9,50% ao ano.

INFLAÇÃO - Após sete quedas seguidas nas projeções do indicador oficial de inflação do Brasil, o mercado financeiro elevou a expectativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2009, passando de 4,23% para 4,30%, segundo a pesquisa Focus. Para 2010, a trajetória do IPCA continuou sendo de baixa, com redução das projeções de 4,40% para 4,30% na quarta queda seguida.

O centro da meta de inflação para este ano e o próximo é de 4,5% com margem de tolerância de dois pontos porcentuais, para baixo ou para cima, de acordo com determinação do Conselho Monetário Nacional (CMN).

PIB - Após sete quedas seguidas das projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2009, as estimativas do mercado financeiro para o ritmo da economia brasileira mudaram de rumo esta semana. De acordo com a pesquisa Focus, a expectativa de retração da economia em 2009 foi atenuada, de uma queda de 0,49% para uma diminuição do PIB de 0,39%. Para 2010, a previsão de expansão foi mantida em 3,50% pela oitava semana consecutiva.

No mesmo levantamento, a estimativa de retração do setor industrial em 2009 piorou, de -3,75% para -4%, ante expectativa diminuição da atividade de 2,74% prevista um mês atrás. Para 2010, a mediana das previsões sinaliza crescimento de 4% pela décima semana seguida.

CÂMBIO - Os analistas mantiveram a previsão para o nível do dólar no fim deste ano em R$ 2,25. Para o fim de 2010, a previsão oscilou um centavo de real, passando de R$ 2,28 para R$ 2,27.

CONTAS EXTERNAS - Os analistas melhoraram ligeiramente a previsão para o déficit em conta corrente (saldo negativo de todas as transações do País com o exterior) em 2009, segundo a pesquisa Focus. No levantamento, a mediana das previsões para o déficit passou de US$ 20 bilhões para US$ 19,5 bilhões. Essa foi a quinta melhora seguida da previsão. Para 2010, a previsão passou de US$ 23,6 bilhões para US$ 23,55 bilhões.

Ainda segundo o levantamento, a previsão de superávit comercial em 2009 permaneceu em US$ 16 bilhões, enquanto para 2010, a estimativa de saldo comercial subiu de US$ 14 bilhões para US$ 15 bilhões.

Analistas não alteraram a estimativa de ingresso de Investimento Estrangeiro Direto (IED) em 2009, que permanece em US$ 22 bilhões pela sexta semana seguida. Para 2010, a estimativa de capital externo produtivo seguiu em US$ 25 bilhões, número repetido há 22 pesquisas

 

Fonte: AE