São Paulo, 17 de Abril de 2009 - Com o objetivo de criar sinergias operacionais que beneficiarão o mercado e os acionistas, a TIM e a Intelig concluíram ontem acordo de fusão, que ainda será submetido à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e ao Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência.

Com receita de R$ 13,1 bilhões e lucro líquido de R$ 180 milhões no ano passado, a TIM atua no mercado de telefonia móvel, reúne clientela de 36,4 milhões de pessoas e registra receita média por usuário de R$ 29,90.

Ao incorporar a Intelig, que possui rede de fibra óptica no Brasil inteiro, planeja economizar despesas com conexão, uma vez que deixará de pagar pelo tráfego nas redes de terceiros, ampliando sua competitividade ante as demais operadoras Vivo, Claro e Oi, com as quais divide ambiente de concorrência acirrada.

O acordo também prevê aumento do capital da TIM Participações e atribuição à JVCO, ligada à Docas, de porcentual de 6,15% do total de ações ordinárias e 6,15% do total de ações preferenciais da operadora móvel controlada pela Telecom Italia.

A Intelig, por sua vez, prevê concluir um processo de reorganização societária e financeira com os bancos credores, de forma a solucionar seus passivos e capitalizar créditos detidos pelos antigos controladores.

Está previsto que a fusão das duas operadoras selecione um dos códigos de longa distância - 41 da TIM ou 23 da Intelig, aquele que possuir marca mais valiosa -, a fim de cumprir regulamentação da Anatel que impede sobreposição de licenças.

De posse da rede da Intelig, a TIM ampliará sua oferta de serviços múltiplos, incluindo telefonia móvel, fixa, TV por assinatura e banda larga.

Fonte:
Gazeta Mercantil/1ª Página
Thaís Costa