Jornal do Brasil - Internacional | Agência ANSA

Após crise, Itália e França falam em 'virar a página'

Após a tensão dos últimos dias por causa da crise migratória no Mediterrâneo, o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, e o presidente da França, Emmanuel Macron, concordaram que é hora de "virar a página".    Os dois se reuniram nesta sexta-feira (15), em Paris, depois de assessores e aliados de Macron terem dito que Roma agira de forma "cínica" e "irresponsável" ao fechar seus portos para o navio Aquarius, que havia resgatado 629 pessoas no Mediterrâneo.   

 Conte chegou até a ser pressionado a cancelar o encontro com Macron, mas manteve a agenda para tentar apaziguar os ânimos entre duas das três maiores potências da União Europeia pós-Brexit. "Estou de acordo com Macron que é hora de virar a página", afirmou o premier italiano.  

"Conte, saiba que o presidente da República da França ama a Itália e quer ter sucesso com ela para uma Europa mais forte", reforçou Macron. Uma das propostas do primeiro-ministro é criar "centros de proteção europeus nos países de origem e trânsito para acelerar pedidos de refúgio".    

Ou seja, pela lógica desse projeto, uma pessoa que foge de perseguições ou opressões em sua casa teria de se arriscar a pedir proteção internacional dentro do próprio país de onde quer escapar. "É preciso reforçar, em nível europeu, as relações com os países de origem e trânsito para evitar as viagens da morte", afirmou Conte.   

 Segundo fontes do governo italiano, há convergência com a França em torno dessa proposta, que já chegou a ser defendida por Macron no início de seu mandato. "Prevemos locais de proteção fora da UE que possam gerir os pedidos de refúgio", reforçou o premier.    Já Macron, apesar do clima de sintonia, não deixou de cobrar a Itália. "Quando um navio chega em suas águas, vocês devem assumir a responsabilidade. A França respeitará sempre o direito internacional", disse, acrescentando que seu país recebeu mais pedidos de refúgio em 2018 do que a Itália: 26 mil contra 18 mil.    

"A França, como a Itália, deve administrar essa crise migratória e devemos dar respostas europeias, não podem ser respostas nacionais", declarou Macron. O navio Aquarius navega neste momento rumo a Valência, na Espanha, que aceitou recebê-lo. A chegada está prevista para domingo (17).

Fonte: http://www.jb.com.br/internacional/noticias/2018/06/15/apos-crise-italia-e-franca-falam-em-virar-a-pagina/