G1 | Globo.com

Fiat voltará a liderar entre marcas no Brasil, diz novo presidente do grupo

Para o italiano Antonio Filosa, marca que atualmente ocupa 3ª posição em vendas estará 'fortíssima' em 2020, explorando 'novas áreas'. Ele falou ainda sobre potencial de picapes e sobrevida do Uno.

Por Luciana de Oliveira, G1

"Se combinarmos com os concorrentes e todo mundo estiver de acordo...", brinca o italiano Antonio Filosa, novo presidente da Fiat Chrysler para a América Latina, ao ser perguntado sobre quando a Fiat retomará a liderança entre as marcas no Brasil.

"Enxergo 2020 como o ano em que poderíamos chegar a ser fortíssimos como Fiat também", respondeu.

Apoiada em grandes volumes de vendas, a Fiat foi a que marca mais perdeu que mais perdeu espaço entre as maiores, de 2013 para cá. Ela deixou o topo do ranking de emplacamentos durante a crise, há 2 anos, sendo substituída pela Chevrolet. Neste ano, de janeiro a abril, ficou atrás também da Volkswagen.

Nem somando as vendas da Fiat com a Jeep, a marca dos SUVs do grupo, a FCA conseguiu superar a maior rival em 2017. Filosa diz que a essa história vai mudar.

"O plano este ano é a liderança do grupo FCA (Fiat mais Jeep) no Brasil. A partir do próximo, temos plano de desenvolvimento também da marca Fiat, para entrar em áreas de mercado que estamos estudando agora e que antes não frequentávamos", afirmou.

Em seu primeiro encontro com jornalistas em São Paulo, na última quinta-feira (10), o executivo não revelou quais são essas áreas. Disse que tudo ficará "mais claro" no mês que vem, quando os passos do grupo para os próximos 5 anos serão apresentados em Turim, na Itália.

O novo presidente da FCA falou ainda sobre:

  1. Aposta em picapes: "Sonho de ter mais uma marca no Brasil";
  2. Sobrevida do Uno: "Brasileiro gosta de ter opção";
  3. Atraso no Rota 2030: "Estou muito otimista";
  4. 'Era' Filosa: "Agora é a hora da napolitização"

1. Aposta em picapes

Uma das expectativas para o crescimento da Fiat é de que a marca invista mais no segmento de picape, com um modelo maior do que a Toro, além de uma sucessora da Strada.

Uma das opções seria um modelo baseado na RAM 1500, da marca americana que também faz parte do grupo, a fim de concorrer com com a Chevrolet S10.

Filosa falou sobre o potencial do segmento, citando o uso em pequenos negócios e no agronegócio, mas não cravou a chegada da RAM.

"Com esses 2 'motores' (da economia), estamos estudando muitas coisas. Uma delas é realizar esse pequeno sonho de ter mais uma marca no Brasil."

2. Sobrevida do Uno

A Fiat está renovando seu portfólio no Brasil, com a substituição de diversos modelos: Palio, Punto, Bravo, Siena... O número de modelos também foi enxugado: o Argo, por exemplo, entrou no lugar do Palio e do Punto. Ainda assim, a marca tem 3 hatches à venda que, em determinadas versões, podem ser sobrepor: além do Argo, Mobi e Uno, o mais antigo deles.

Lançado em 2010, nos tempos em que o Brasil batia recordes na venda de carros, o Uno não teve mudança de geração -apesar de a FCA chamar o atual de "terceira geração". Foram pequenas mudanças visuais e nos motores, a última em 2016, quando o compacto adotou os primeiros motores 1.0 de 3 cilindros da marca, além do 1.3 de 4 cilindros, também inédito.

Entre os top 3 nas vendas até 2013, o Uno terminou o ano passado em 16º no ranking, considerando apenas automóveis. Até abril deste ano, está em 42º. Mesmo assim, Filosa diz que ainda há espaço para ele. "O brasileiro gosta de ter opção".

3. Atraso no Rota 2030

O presidente da Fiat se disse otimista sobre a implantação do novo plano automotivo, chamado Rota 2030, apesar do atraso. O programa deveria ter começado a valer no início do ano, e algumas montadoras já dizem que o impasse poderá comprometer investimentos.

Filosa afirmou que os planos que a FCA vai anunciar em junho são fundamentados no que espera que o regime automotivo contenha.

"Baseado nesse otimismo, eu trouxe este plano, que está fundamentado sobre isso (o Rota 2030)."

4. 'Era' Filosa

Filosa foi questionado sobre se a Fiat tomou um caminho "muito alemão" nos últimos anos, sob a gestão do brasileiro Stefan Ketter, se tornando mais lenta para "ler" os desejos do mercado e responder rapidamente com produtos às vezes inusitados e que viraram sucesso.

O executivo negou e usou a criação da fábrica da Jeep, em Goiana (PE), como um exemplo de que essa agilidade continua existindo.

"O mercado brasileiro foi um dos últimos que foi atrás de SUVs e nós nos antecipamos, com o investimento de alguns bilhões de reais com a fábrica que é a mais automatizada do mundo, que eu ajudei a fazer, porque estava no time do Stefan, da 'germanização'", relembrou.

"Tivemos essa ousadia criativa de gerar lá em Pernambuco um pólo automotivo, com 2 modelos, 17 fornecedores, 200 novos concessionários. Tudo isso em 3 anos ou um pouco menos."

Mas Filosa admitiu que haverá mudanças, após o foco em Fiat e Jeep nos últimos anos. Disse que vai começar uma 'era' napolitana, lembrando a cidade onde nasceu.

"Agora é napolitanização. Os planos que vamos anunciar serão para ambas, ou quem sabe para 3 ou 4 marcas."

Fonte: https://g1.globo.com/carros/noticia/fiat-voltara-a-liderar-entre-marcas-no-brasil-diz-novo-presidente-do-grupo.ghtml